segunda-feira, 30 de junho de 2014

nota mental /2





.
engraçado é pegar o bloco de notas e não escrever para ou sobre você. como a gente superar as coisas e principalmente as pessoas. encontramos assuntos e inspirações diferentes. damos risadas e sentimos saudades de outras coisas que antes nos eram desconhecidas. aquela banda e aquela música voltam pra playlist como qualquer outra. parece que aconteceu em outra vida ou com outra vida, talvez seja isso. aquela vida que tínhamos antes do rompimento se foi, morreu e jaz em paz em algum lugar fora de nós. morremos e cultivamos nosso próprio luto, como explicar? então as cinzas ganham cores, ganham fôlego de vida e cá estamos como se fossemos uma fênix.

terça-feira, 24 de junho de 2014

ato cem e trinta e três.



.
eu quero sair de casa. mas eu não quero sair de casa e deixar a minha avó com a sensação de que ela não. fez um bom papel na minha educação. também não quero que minha mãe pense que estou a puni-la por algo do passado. quero sair de casa, mas não por causa dos problemas familiares. quero sair de casa pois eu já vim com o mapa múndi na mente. conhecer lugares sempre me deixou excitada, mas conhecer pessoas é o que me move. quero sair de casa e conhecer o mundo em mim. quero sair de casa e ao olhar pra trás sentir saudade de casa e não alívio por estar longe. quero voltar pra casa nos feriados, nos aniversários, nos dias de chuva e quando a saudade não tiver lugar pra ficar. quero sair de casa porque sei que a terei quando eu voltar. quero sair de casa mesmo sabendo que irei me perder, enlouquecer e me arrepender. pois sobre viver eu irei escrever.

domingo, 22 de junho de 2014

sobre atual idades.



.
demonstrar sentimentos está fora de moda. passou a ser visto como trajes de gente fraca e ignorante. como demonstrar afeto sem saber se o outro cultiva algum sentimento verdadeiro por nós? não, não pode. devemos ser fortes e independentes. gostar e demonstrar afeto nos torna vulneráveis e isso vai contra as regras atuais. coração deixou de ter um significado figurativo, agora ele é apenas um órgão que bombeia sangue pra sua máquina, conhecida como corpo, continuar funcionando e fim. não se apegue, não abaixe a guarda e jamais se aproxime muito de outra pessoa - novo slogan pra uma vida de sucesso e vazia. precisamos de dinheiros e não de corações partidos. siga a razão, se deixe levar pela maré e quando não der mais pé se afogue nos braços da emoção.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

canalizar a dor.



.
não tem nada de anormal em colocar uma música pra tocar quando tu pega um livro pra ler. ninguém acha estranho você caminhar por ai com fones acoplados aos ouvidos. todos entendem perfeitamente que não se pode faxinar a casa sem uma playlist definida. não existe festa feita com silêncio ou só com o barulho das vozes conversando. na hora do banho todos somos artistas famosos, damos o play e fazemos as performances de nossas vidas. quando o assunto beira o precipício do silêncio a gente recorre aquela música que acabamos de conhecer ou então aquela que temos por favorita. e até quando não estamos exercendo nenhuma atividade a música está lá, trazendo vibrações e vida para nossos corpos.
os acordes, as harmonias, as variações de vozes, os diversos timbres e tons estão sempre nos salvando. sempre nos orientando. sempre embalando nossos melhores momentos. música é o que sobra quando um relacionamento acaba, porque fotas a gente rasga ou deleta, mas como impedir que aquela música toque? música é o que sobra quando o salão de festa fica vazio, ainda podemos deixar tocar e dançar com a vassoura. música é o que sobra quando a saudade já perdeu a voz.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

pra você guardei amor.

~ all of me loves all of you ~

.
e cá estamos, com a nossa casa mais do que quitada e mobiliada. as paredes trazem grandes quadros de boas e doces lembranças. cinco anos e algumas vidas cantadas na vozes de grandes sucessos nacionais e importados. sessenta vezes e vários sonhos compartilhados e concretizados. não sei olhar pra trás e escolher só um momento, teve aquele primeiro 'te amo' que veio em forma de música, a primeira ligação, a primeira carta trocada, o primeiro abraço, a primeira fota, a primeira serenata, a primeira conversa de vídeo no skype e tantas outras primeiras vezes. 
as pessoas estão acostumadas com os desgastes nos relacionamentos, enquanto a gente só faz se amar um pouco mais a cada volta no relógio. não tem que desperte em mim sentimentos tão bons que nem você. a gente se entende e se mistura de um jeito tão natural que estranho seria se a gente não fosse a gente. esse relacionamento de homem e mulher que não cabe em nenhum padrão fifa de relacionamento. 
obrigada por se o meu lar, principalmente nos dias em que nem eu quero me abrigar. obrigada por ensinar tantas coisas. obrigada por esse relacionamento tão maravilindo que temos. obrigada por fazer meu coração funcionar até nos dias em que eu o decreto falecido. 

eu amo você, Uau Berg!

quinta-feira, 5 de junho de 2014

nota mental.



.
a vida é tão solitária que quando se encontra alguém pra segurar a nossa mão e caminhar ao lado da gente, não podemos deixar a oportunidade passar. mesmo que a companhia dure o tempo de um sorvete ou até a próxima esquina.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

olha só, moreno.



.
bom mesmo é
dormir
e
acordar
com a certeza de
que somos
par 

domingo, 1 de junho de 2014

devagar ações.



.
sempre que alguém me pergunta o motivo da minha solteirice eu oscilo em duas desculpas: não tá na hora ou não encontrei uma pessoa que me faça mudar de ideia. (atire a pedra no telhado do vizinho quem nunca as usou). 
hoje, enquanto eu estava observando a paisagem pela janela do coletivo eu comecei a refletir minhas desculpas e percebi que elas são fatalidades. tudo bem que há segunda não é bem verdade, porque eu encontrei alguém que me fez mudar de ideia mas esbarrei na primeira desculpa e fiquei no zero a zero novamente. 
não acredito que haja uma pessoa certa e separada pra mim ou pra qualquer um/a. a vida é como um jogo de probabilidade e as combinações são as mais diversas possíveis. não há matemática ou porcentagem que vá lhe garantir um/a companheiro/a perfeito/a. querer e esperar por isso é tolice com passagem comprada pro destino da solidão. 
claro que chega um momento da sua vida que você então percebe que encontrou uma pessoa que te faz esquecer as outras possibilidades, as outras bocas, os outros carinhos, os outros abraços e todos os outros. quer uma pessoa e ser dela também, não por obrigação ou certidão, mas por simples e puro desejo. 
o amor e suas outras drogas não são complicados, não precisam de planejamento ou orçamento. só esperam por uma chance de acontecer pra nascer.