segunda-feira, 28 de novembro de 2016

em poder e andamento.



.
que mulher nunca disse ou nunca ouviu outra dizer que prefere amizade masculina? mulher é sempre vista como falsiane, como concorrente, como vagabunda, como oferecida e como aquele ser que não deve ser mencionado. confesso, que já fui assim e até hoje luto pra evitar meus instintos machista opressor. 
de fato eu nunca tive muitas amizades femininas, mas isso foi acontecendo sem que eu me desse conta, a começar pela minha casa que não havia meninas com quem brincar. dei preferência para os carrinhos e gol-a-gol. a infância passou, porém as preferências e preconceitos se mantiveram por anos a fio. 
se teve algo que aprendi nesse ano de dois mil e dezesseis foi que: MULHER É UM SER MARAVILHOSO! (insira aqui vários corações verdes) 
de modo algum nego a complexidade que envolve qualquer ser humano. o segredo tá em parar de tentar entender a mulher e aceitá-la como é. defeitos todos temos, mas se tu não dá uma chance nunca irá conhecer o perfume por trás do nosso mecanismo de defesa. nunca haverá um manual de instrução, pelo simples fato de que não somos objetos! tempos TPM sim, quem não tem? atire a primeira pedra aquele que nunca esteve sob o controle dos hormônios, é claro que precisamos mostrar que o controle não os pertence. 
uma desconstrução de cada vez e assim fazemos auto-revolução.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

com (in)sulta - o retorno.

.
- senhor Robert, favor comparecer a recepção.
(...)
- SENHOR ROBERT, FAVOR COMPARECER A RECEPÇÃO.
- opa, opa, opa, opa ...
- cansou?
- quem parece cansada é tu, encontrou o caminho de casa quando?
- isso mesmo, debocha mais que eu espero.
- é um deboche com saudade, batatinha.
- podemos ir ao que interessa?
- tudo aqui interessa, a começar pelo sumiço.
- pensei que o papel de maria-do-bairro fosse meu.
- itu não pode emprestar um pouco?
- não hoje.
- já deitou?
- ficarei de pé.
- então não escuto.
- eita que anda muito marcriado (olhos revirados)
- deitou?
- deitada, esticada e só faltou uma coberta.
- pronto, não falta mais.
- obrigada.
- veio reclamar do final do semestre na faculdade?
- sempre adivinhando as coisa.
- não me enrola que eu sei que tem mais caroço no angu.
- se sabe, tá perguntando por quê?
- porque é divertido.
- não vejo diversão alguma.
- tive uma ideia!
- pode contar, não sou de adivinhar como você.
- vamos na praça tomar sorvete e deixa os problemas pra mais tarde.
- mais tarde quando?
- quando tu quiser voltar de novo.
- vamos e tento não demorar.
- trato feito.

domingo, 6 de novembro de 2016

jardim inteiro.




.
vamos deixar rolar, escorrer pra fora aqueles sentimentos floridos que estão causando superlotação no pulmão.
 não esconda os cravos, não oculte os espinhos e nada de cortar os raminhos. venha como girassol, como margarida ou orquídea. 
sou analfabeta no ramo da floricultura, mas me admira vossas alturas. pode até parecer devaneio, mas sei que você tá até imaginando o cheiro. 
seja pra cultuar, seja pra enfeitar ou então enlutar. 
guarde apenas os brotos e que sejam como sementes nossos dentes.