terça-feira, 22 de março de 2016

sapatilha 37.




.
o que relacionamento tem a ver com calçado? TU-DO!
você nem estava precisando ou procurando, mas a vida vem e te apresenta aquele calçado que faz seu coração coçar da alegria. claro que você não vai metendo os pés pelas mãos e agarrando ele de vez pois tem medo de que não seja seu número. então aos poucos você resolve se aproximar, vai se deixando usar por uns dias sim e nos seguintes também, até perceber que lhe cabe por completo. 
então, você percebe que já não consegue mais andar descalço, porque dói o pé - ou coração, mas eu tô falando de sapato. mas também não é bacana só conseguir usar seu sapato favorito se estiver usando band-aid. porque sapato bom mesmo é aquele que você usa todos os dias e não se cansa, nem mesmo depois de anos. sapato bom mesmo é aquele que não importa qual moda a galera tá usando, ele sempre será a sua escolha. sapato bom mesmo é aquele que não importa a distância percorrida, seus pés sempre estarão confortáveis. caso contrário, é melhor jogar fora e esperar por outro ou então ficar descalço e sentir novas sensações.

sexta-feira, 18 de março de 2016

divina comédia.





.
às vezes tenho a sensação de que já faz tanto tempo e em outros momentos eu percebo que ainda estamos no começo. naquele começo que todos dizem que tudo são flores, mas eu acho que já superamos tantos medos, tipo: o meu de compromisso ou o seu de se apegar demais. tantas diferenças que se juntam numa sincronia tão perfeita que não consigo imaginar como seria ter que lidar com as coisas sem você. 
você tem sido a minha companhia favorita, aquela que eu sempre quero por perto - até mesmo quando falo que tu deveria passar uns dias em casa. você é aquela pessoa em que eu penso e escapa um sorriso frouxo dentro do transcol lotado. você é a primeira pessoa que me vem a mente quando tenho alguma ideia. você é a pessoa com quem eu sempre quero comentar as notícias e bafões. 
a saudade tem feito morada no nosso coração desde o princípio, mas eu notei que ela veio pra ficar porque eu a sinto mesmo quando sei que posso levantar e te encontrar na cozinha. eu sei existir sozinha, desde que sua perna esteja ao alcanço da minha. 
obrigada por me ajudar a ser melhor, obrigada por não ter se acomodado na minha bagunça, obrigada por ter me tirado da zona de conforto e segurado a minha mão, obrigada pelas suas surpresas criativas, obrigada por sempre comprar nescau quando eu vou te visitar, obrigada por sempre trazer um bombom na volta da padaria, obrigada por me deixar te cuidar,obrigada por sempre fazer o café quando eu preciso levantar 5:50 da manhã, obrigada por sempre gostar da minha comida - mesmo quando tá sem sal, obrigada por me ajudar a não deixar a peteca cair, obrigada até pelas sms à cobrar, obrigada por sempre demonstrar seu imenso amor, obrigada por sempre me olhar com afeto e desejo, obrigada por ser esse companheiro maravilhoso.

eu amo muito você, Eric Coutinho e quero continuar a escrever nossa história todos os dias. 

att,
sua amada.

terça-feira, 8 de março de 2016

seja, como flor.




.
o dia das mulheres está dando seus últimos suspiros e assim como toda e qualquer data comemorativa eu tive que ler/ouvir alguém dizer que deveria ser todo dia e não só numa data específica. e eu só tenho algo a dizer: CALEM! SE CALEM, SE NÃO VOCÊS ME DEIXAM DOIDA.!
eu gosto de datas comemorativas! foda-se que alguns se aproveitam pra ganhar dinheiros com isso, afinal de contas sempre tem gente querendo ganhar algum trocado em cima de qualquer coisa mesmo. será que isso é suficiente para tirar a graciosidade que certas datas possuem? será que são só os comerciantes que paganizam as celebrações? 
o mundo não tá mais ou menos chato, o mundo tá mudando! tem tradição que precisa ser quebrada sim, tem piada que não tem graça mesmo, tem machismo entre nós sim, tem racismo em muitos corações sim e é preciso falar sobre isso. não só quando nos dão uma data especial, mas principalmente nelas. 
há tantas coisas que deveríamos fazer todos os dias e não fazemos, seja por culpa da correria ou pela mente esquecida. celebrar algo em um dia especial não quer dizer que nos outros ele será banal.