quinta-feira, 29 de setembro de 2011

mesma eunice.


.
Ensaios são feitos diante do espelho, frases prontas são montadas e falta pouco para o teatro acontecer. Todos já conhecem o roteiro, ele de inédito não tem nem o nome. Cada um tem o seu lugar, o seu papel e talvez alguma importância. Imprevistos podem até acontecer, mas só com os outros. Nessa peça, tudo é sempre do mesmo jeito - o fim, o recomeço e o meio. Os personagens que já estão se desbotando de tanto serem usados da mesma maneira, sempre do mesmo jeito, sempre nas mesmas posições. Apesar dos pesares, não se ouvia murmuração ou lamúrias, pelo contrário, todos se mostravam contentes e às vezes satisfeitos. Parecia que aquela peça velha-usada-e-remendada era a única coisa que eles possuíam, mas só parecia. Fato é que eles escolheram ficar, aceitaram a mesmice sem reclamar e fizeram daquele teatro um lar.

# um passado com novidades.

2 comentários:

renatocinema disse...

Não aceite a mesmice. NUNCA. Amei a foto e o texto.

Adoro seu site.

Renan Mendes disse...

Parece que eles estavam felizes com a escolha, pelo menos...