quinta-feira, 18 de agosto de 2011

página um.



Era mais um dia de inverno, mas no lugar onde eu moro o inverno não é bem inverno e sim uma folga do sol escaldante. Então, resolvi ir caminhar na praia, gosto de sentir o vento gelado no rosto. 

Foi quando meus olhos a avistaram, não acreditava que era de fato ela, passei as mãos nos olhos, limpei o óculos e olhei novamente. Sim, era ela. Senti que minhas pernas estavam bambas e minhas mãos estavam começando a gelar. Ela usava uma bermuda jeans desfiada, uma blusa com a estampa de um desenho animado, um chinelo preto, uma mochila, óculos de grau e cabelos ao vento. O lugar era estranhamente conhecido, já tinha ido lá com ela. A lembrança vagava pela minha mente, ou melhor, ocupava meus pensamentos. 

Aquilo parecia mais uma cena de filme. Fiquei na dúvida se deveria ir até lá e conversar, talvez ela estava acompanhada, do namorado ou até mesmo do marido. Na última vez que tentei procurá-la, fiquei sabendo que ela havia se mudado e estava morando com um rapaz. Na ponta de minha língua havia várias perguntas, queria saber por onde ela andou, o que ela estava fazendo, o que ela tinha feito e por que sumiu. O medo era visível em meus olhos, mas mesmo assim me aproximei. Chegando por trás dela, eu disse: 

- Olha só quem o vento me trouxe. 

Assim que ela se virou, meus olhos brilharam e percebi que estava sorrindo. 

- O vento nem sempre traz coisas boas. 

Foi então que a tarde ganhou um brilho maior, assim que ela abriu o sorriso e deu uma gargalhada - pela qual eu sempre fui inteiramente apaixonado. Ela abriu os braços e me abraçou, um abraço calmo e forte. Seu cabelo tinha o mesmo cheiro e sua pele estava ainda mais macia. Eu teria ficado ali por horas, mas ela logo se afastou e me olhou nos olhos. 

- Acredita se eu disser que estava te chamando pelo pensamento?! 

- Talvez. Como você está?! Se mudou pra cá?! Tá só de passagem?! Veio sozinha?! 

- Desse jeito você ficará sem ar, respira e faça uma pergunta de cada vez. 

- Me desculpa. 

Abaixei a cabeça e senti minhas bochechas queimar, não sei o que havia acontecido, ela sempre me fez perder o controle. 

- Não tem problema. Eu estava com saudade. 

- Posso fazer uma pergunta?! 

- Você já fez. 

Disse isso e fez uma careta. Não era possível, ela ainda era a mesma e com as mesmas manias. 

- O que quer saber?! 

- Veio com quem?! 

- Ah, eu vim com a Ana, ela veio participar de um congresso e eu resolvi passear um pouco. 

- Hum, ela está no congresso agora?! 

- Está sim, por isso resolvi caminhar um pouco. 

- Quer ir tomar um café comigo?! Conheço um ótimo lugar. 

- Vai pagar?! 

- Posso pensar no caso. 

- Já é um começo. Quero sim.

7 comentários:

Inercya disse...

Não me canso de ler suas palavras, Fran. São tão adocicadas *-*

"- Vai pagar?!" - menina de atitude, gostei dela hahaha
:*

renatocinema disse...

Tem uma amiga minha, que não vou dizer quem é, que não me falou o que achou do cd. Será que odiou? Será que me xinga pela questão musical?

kk

Caroline disse...

Eu amo a sua escrita menina. Já comecei gostando *-*

Thamires Figueiredo disse...

Oun.. doidinha de vontade de ler as outras partes ;)

Luna disse...

Tá escrevendo lindo e o blog, tá mais que lindo.

Gabriela Freitas disse...

belo conto, intenso, adorei, lindo blog. estou seguindo.

Juliana Dee disse...

Own *_*
Primeira vez em seu blog e me amarrei de cara!
Seu texto é incrível, vc descreve de uma forma que prende a gente, de uma forma tão simples e fofa! Admiro muito isso!
Curti muito!
Já virei fã e estou te seguuuiiindo!
Queria muito saber o que aconteceu depois, apesar de que já tenho uma ideia HAHAHAHA
Bjuuuus