quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

alheio.



.
Não sei você, mas eu gosto de pegar os fatos da minha vida e transformá-los em teorias baratas e sem muita utilidade. Sendo assim, deixa eu contar a minha conclusão e vê se consigo fazer você enxergar como eu - se eu não conseguir, tô nem azul porque sou verde (rá). 

Semana passada o meu computador resolveu me dar uma lição de moral e com isso parou de funcionar tipo que do nada.! No primeiro instante eu não me descabelei ou fiquei nervosa, deixei pra lá e fui assistir televisão. Cinco dias se passaram e eu comecei a sentir falta dele, quer dizer do que tinha nele: minhas músicas, fotos dele e alguns endereços dos quais eu precisava. Tudo isso foi só uma introdução, porque vou entrar agora no assunto:

Fato é que ninguém sabe a hora que algo vai deixar de funcionar, isso não acontece só com aparelhos eletrônicos, acontece muito mais com relacionamentos. Às vezes, você pensa que está tudo bem, que tudo vai bem e do nada (PIMBA!) tudo começa a não funcionar como dantes. No primeiro instante você pensa que é só uma fase e depois percebe que não. Porque é assim que é, as coisas ou os relacionamentos (que seja!) precisam de manutenção e atenção. Não vou começar a dizer que a rotina corrói as coisas e que o tempo é tipo ácido, porque jogar a culpa no que tá de fora não melhora o que tem dentro. O meu computador teve conserto e eu só perdi algumas músicas/meus registros/meus favoritos do navegador/meus emoticons, nada tão grave. Aos poucos eu estou recuperando tudo - abençoado seja o 4shared que nunca me abandona. Infelizmente não existe um site onde eu possa baixar o que falta nos meus relacionamentos, não tem como fazer backup daquilo que eu deixei os dias carregarem. Ainda bem, porque se a vida lá fora fosse tão simples (?) como é por aqui, ela não teria graça ou sabor. Eu aprendi que preciso salvar minhas fotos e minhas músicas em algum CD ou pen drive, ou seja, preciso guardar meus bons momentos e de alguma maneira fazer com que eles durem o máximo possível.

# a arte de fingir não saber e descobrir mais.

12 comentários:

Thamires Figueiredo disse...

' a comparação me fez perceber certas coisas também. Você soube mostrar tudo aquilo qe precisamos ver através dessa comparação. Parabéns.

Isadora Peres disse...

Você e suas melhores teorias (não) baratas, Fran!
Sinceridade pura nisso aí que escreveu, adorei.

Grandes beijos, flor!

Franck disse...

Acho que as máquinas e os homens dão sinais qdo as coisas não vão bem...precisamos apenas ficar atento aos detalhes...
Bj*

Fil. disse...

Ai, reflexos do cotidiano, em grande escala.
Também sou assim, coisa mínima me leva ao supra sumo da minha imaginação besta/reflexiva rsrs

bjos!
(*guarde-os na alma, okay?)

Inercya disse...

Eu ri quando li o marcador 'teoria barata'. Ah menina, tu tem cada sacada genial, que fico boquiaberta quando te leio. Pois é, ainda tem que não somos como as máquinas. Por que qualquer dia, poderíamos virar pó de tanto backup.
Adoray o texto, querida!
;***

Caroline ; disse...

achei magnífico, uma teoria de fato útil (: adorei.

Marcelo R. Rezende disse...

Que delícia, você tem umas frases de efeito que me deixa ruborizado de tanta alegria.

Beijo, sua linda!

Renan Mendes disse...

Gostei da comparação e concordo com cada palavra, exceto a denominação de teoria "barata". Mas eu já te disse isso, né, flor?

Beijas. :*

Monique disse...

A carapuça me serviu,rs. As vezes uns chacoalhões fazem toda a diferença.

Beijo, linda (:

Will Monteiro disse...

aiai que teoria em fim. E no final descobrimos que somos feitos de imperfeições, mas mesmo assim temos as melhores ferramentas que poderiamos ter: Coração&Mente. A combinação perfeita para as nossas lembranças e sentimentos <3
=*

Natália disse...

Eu gosto de pegar os fatos da minha vida e traduzí-los em textos, ou tentar fazer isso, porque nem sempre a tradução é completa...

Beijo

sarah b. disse...

Sem dúvida.
Manter relacionamentos só depende da gente.
E no início quando a coisa começa a ficar estranha, acontece exatamente isso que você falou, deixamos de lado achamos que não é nada demais, então por não termos dado atenção devida no início do problema, tudo complica depois.
Guardar os bons momentos é o que há !
Beijos.