terça-feira, 14 de dezembro de 2010

ato trinta nove.



.
resolvi falar, novamente, sobre nós.
não somos uma casal, ou será que sim?!
prefiro acreditar que não. casal é coisa demodé demais, pra nós.
já perdi as contas de quantas vezes brigamos, e cá entre nós, casal não briga.
já perdi as contas de quantas vezes passei a noite olhando os belos olhos castanhos
 que ele tem.
entre nós não rola ciúme. tá, rola sim, e cá entre nós, entre casal não rola isso.
ele me acalma com um olhar.
eu o conheço só de olhar.
não temos obrigações um com o outro, temos uma coisa melhor: respeito.
fazemos tantos planos e temos tantos sonhos juntos. às vezes isso me traz um certo receio, pois planos/sonhos são coisas de casal, e definitivamente não somos um casal.
eu quero ele pra mim só até quando o amanhã existir.
sinto um frio na espinha quando escuto a voz dele no telefone.
ele fica sempre com vergonha quando eu o beijo. será que beijo é coisa de casal?!
andar de mãos dadas com ele me traz segurança.
virar a noite vendo seriado e desenho com ele é sempre melhor do que uma noite de sono.
temos uma rotina inconstante.
acho que nunca seremos um casal.
pois título/rótulo nenhum importa se eu o tenho ao meu lado.


# não é necessidade, sim vontade.

9 comentários:

renatocinema disse...

Você tem contos publicados? suas palavras merecem divulgação........são tão simples e tão sinceras ao mesmo tempo.

Não tinha necessidade de falar isso....mas, sim,vontade.

dear sarah disse...

o importante pra mim é simplesmente ter por perto.

Caroline ; disse...

que final mais lindo, mt cativante *-* uma delicinh de texto (:

Renan Mendes disse...

Eu até ia comentar, mas aí escreveste no fim do texto.
Entitular pra quê? É melhor expandir o significado...

renatocinema disse...

Amei a frase final: rótulo não importa.


o que importa são outras coisas. sinta o frio na espinha, a dor na barriga. faz bem a alma.

Kivia Nascentes disse...

Quando eu ficava assim, eu saía correndo, feito louca, corria corria, e depois, de tanto cansaço eu parava, completamente e já nem pensava.
Me levantava, e me punha a caminhar, em passos lentos, firmes e objetivos novamente.

beijos

Inercya disse...

uau, quaresma! não importa, se está junto, está bem! não precisa dizer que é casal para ser realmente. adorei todo o texto!
;*

Marcos de Sousa disse...

Não é preciso ser um casal para ser feliz, basta amar.

Beeijos

Natália disse...

a palavra casal é antiga, velha. eu apenas quero ser o par de algúém. encontrar o meu par. beijo