domingo, 30 de novembro de 2014

estatística mente.



.
os dados comprovam que o ano de dois mile catorze foi assim:

  • 39 sessões de cinema; (em sua maioria na segundas, cadique promoção é promoção)
  • 35 sessões de sofá/cama/tapete; (sessões da tarde e afins não foram inclusos por motivo de amnésia)
  • 15 livros; (os outros eu deixei pra terminar em outro momento da vida)
  • 3 novos nomes na lista do beijo; (teve nome repetido, mas todos conhecem o ditado, né?)
  • alguns álbuns pra chamar de favorito; (eu nunca lembro de anotar, tomarei como meta pro ano que vem).
o que os dados não mostram é a chuva de forninhos que passou sobre meu telhado quando eu rompi com o Jean e quando eu resolvi abrir mão do Marcos Felipe. os dados também não mostram como a amizade do Marco Antônio foi um dos maiores presentes de aniversário adiantado que eu ganhei. eles não conseguem expressar a felicidade que eu senti ao ter o Marcus Vinícios de volta a minha vida e de bônus me trouxe um convívio maior com a Camila, o Gutinha, a tia Dadá e o sr. Gentil - fora o bônus bônus que foi o inserimento da Virgínia no conjunto. dados não conseguem expressar a gratidão que sinto por viver natal todos os domingos com as minhas tias, meus primos, meus avós e minha mãe. seria complicado demonstrar em gráficos minhas batidas cardíacas ao receber uma mensagem/uma ligação/ ou qualquer contato vindo do nordeste através do Berg, do Etiópia, da Day, da Bela, da Will, da Nana ou de Thamires. as sessões cinema não teriam pipoca se não fosse o João pra bancar a conta e a companhia. o álbum do sorriso não estaria completo sem as fotas que, finalmente, eu consegui tirar ao lado da Bell e da Dái - porque com o Deni eu já tinha fota, meio que juntos. os meses teriam se arrastado mais ainda se eu não tivesse a Pâmella e Rebeca, minhas fontes de apoio/sermão/fofocas/apelidos/amizade - ainda tem o Victor que é o melhor 'cunhado' até o momento. poderia ser só mais um fato nas estatísticas, se meu reatamento com a Nathana e com a Thami fosse só um alívio da consciência. conexão faz parte de qualquer viagem, mas almoçar com a Haya fez valer cada volta no relógio. meu visual não teria mudado se o Michel não tivesse o contato de quem tinha o contato do contato para fazer os meus dreads. conhecer o Juan, o Eduardo, o Gui, o Jeff e o Matheus, deixou meus diálogos mais animados e musicais. voltar a ter notícias do senhor Heitor e do Eric nunca poderia ser visto só como uma reconciliação, porque o sentimento vai sempre além do nível banal das coisas. encontrei ninho na comunidade âncora, onde passarinhos como o Eric, o Pedro, o Gustavo, a Jú e a Leo são tão acolhedores como carinho de mãe. as geladas e os cafés com o John também não cabem em meros gráficos circulares. os meses não seriam riscados com tanto prazer se eu não tivesse o Thon me esperando no Chile. assistir filme e saber que o Siller é de verdade também não tem como só jogar nas tabelas.
apesar de não gostar de anos pares, posso afirmar que o saldo foi positivo. mesmo sabendo que ainda temos alguns dias pendentes, mas fecho a conta agora e agradeço a todos os envolvidos. obrigada, de nada. e ar maria, me amem!

Nenhum comentário: