sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

ato cem e quinze.



.
hoje, enquanto eu esperava o ônibus pra ir trabalhar, vi passar por mim a minha professora do pré. sim, a mulher que me ensinou o alfabeto, que me ajudou a montar sílabas e a conhecer os números. aquela que participou ativamente da minha base estudantil. que era a tia Wilma ou Wilminha para os íntimos. o que me doeu foi não ter intimidade ou coragem o suficiente pra pará-la e dizer: obrigada! porque hoje eu sei o quanto ela foi essencial na minha vida. 
às vezes a gente se encontra com o passado e ele faz os rins sorrirem ou então os pulmões chorarem. engraçado como a minha memória seletiva lembra tão bem daquela senhora que saiu da minha vida há mais de quinze anos e não se lembra bem de pessoas que eu convivi no ano passado.
e assim como a tia Wilma há outras tantas pessoas que foram essenciais na minha vida e nem sabem, porque sô do tipo mongol que esconde os afetos por medo de se afetar ...

2 comentários:

Renan Mendes disse...

Tu não és a única que fazes isso.

Inercya disse...

Devia te tido coragem de ir falar com ela. Imagina a surpresa e felicidade que ela teria, mesmo não lembrando realmente de você.

Também tenho essa sensação, de que existem pessoas importantes na nossa vida, mas elas nem sabem ao menos.

É bom voltar por aqui, :3
:*