sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

riscos e discos.



.
Quando resolvemos gostar de alguém, é por nossa conta e risco! E também é debitado nessa conta a missão de fazer o tal alguém perceber e acreditar no sentimento, porque afinal de contas as pessoas não são obrigadas a adivinhar o que se passa do lado de dentro do nosso coração, né?! O que não quer dizer que elas tem o direito de nos fazer de trouxa! 
Talvez o sentimento seja sentindo por ambas as partes, mas uma delas tem que ceder a falta de vergonha e rasgar fronha. Caso contrário, chegará um terceiro e levará o que era pra ser nosso. E é nesse momento que aquele ditado de que ser for pra ser será cai por terra, anota aí.
É claro que depois que a fronha do sentimento for rasgada, não tem como juntar as penas e fingir que nada aconteceu e tá acontecendo. Pode ser que o clima fique estranho, pode ser que as coisas se encaixem perfeitamente, pode ser e pode não ser.
Lembrando que o risco é nosso e só nosso! Não podemos oferecer sentimento esperando retorno, porque daí quebramos a cara e de brinde o coração. 
Não, você não é obrigado/a a oferecer a cara pra bater, você pode ficar no seu mundinho curtindo o sentimento só. Sem preocupação, sem expectativa, sem decepção e principalmente sem o prazer de fazer o tal alguém feliz.
Fato é que teoria é teoria e romance é romance.

5 comentários:

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Eu resolvi arriscar o outro lado não... E isso me incomoda.

Agora eu resolvi não por minha cara para bater durante um bom tempo...

Beijos Imundos.

Jaci Macedo disse...

E as coisas sempre são diferentes no romance do que na teoria, né.

beijos, coração.

Henrique Miné disse...

e a vida é a vida que está sempre pronta para dar um tapa na nossa cara, como diz um grande amigo meu.

Queria poder viver só de teoria :/

beeeeijos!

Caroline disse...

Uma escolhazinha tão chata,e que na teoria não parece tão complicada. Mas se a gente não tentar fica difícil saber.

Inercya disse...

Pra quê guardar um sentimento? Se ele existe, ele tem que ser colocado pra fora, como que em exposição. O problema é se vai ser aceito ou não.
;*